Syntese comemora 15 anos com fórum sobre educação e o futuro do trabalho

Alexandre Moreno Fórum Syntese

Syntese comemora 15 anos com fórum sobre educação e o futuro do trabalho

“O futuro do trabalho prevê uma revolução nas relações humanas. E a hora de começar essa mudança é agora”. Com essa abordagem, a Syntese realizou o 3º Fórum Curadoria das Relações Humanas – Educação e o Futuro do Trabalho, no dia 17 de maio de 2018.

O evento comemorou os 15 anos de atividades da empresa, como contou seu fundador e idealizador, Alexandre Moreno, na abertura do Fórum: “A Syntese nasceu em 2003, como uma empresa de consultoria de marketing para o setor agrícola. Depois se transformou em uma empresa de treinamento e desenvolvimento de pessoas. E hoje temos um foco claro em educação corporativa com um jeito Syntese de atuar”.

 

15 anos de Syntese: a educação e o futuro do trabalho continuam em pauta 

Nesse momento especial, a Syntese celebra mudanças importantes, como seu novo posicionamento no mercado. Ela deixa de ser Syntese Desenvolvimento Humano e passa a ser Syntese Educação Corporativa, ganhando a assinatura de marca ‘Cocriação de saberes e soluções’. “Acreditamos que não dá para criar soluções de treinamento a partir da nossa perspectiva apenas. Afinal, como vou definir para o público de uma empresa o que é melhor para ele sem nunca ter vivido sua experiência?”, questionou Moreno.

 

Abordagem Centrada na Pessoa – ACP

Durante sua apresentação, ele também falou da abordagem utilizada nos treinamentos realizados pela Syntese: a Abordagem Centrada na Pessoa (ACP), que coloca os indivíduos no centro, como protagonistas do seu próprio desenvolvimento, tornando-os mais relevantes que qualquer ferramenta ou método. “Temos que pensar em quem são as pessoas, o que elas querem e precisam e como caminhamos juntos, mesmo que isso implique em, muitas vezes, mudar o rumo do treinamento”, explicou. “O grupo é o agente mais importante dessa história”, complementou Moreno, ao reforçar a crença da Syntese na capacidade dos participantes de um treinamento evoluírem a partir dos seus próprios saberes.

 

Facilitação, um jeito de ser

No início da Syntese, os treinamentos aconteciam em lugares bastante incomuns. Com atuação focada no mundo agro, a empresa promovia treinamentos em locais com pouca ou quase nenhuma estrutura, e com pessoas com pouca escolaridade, muitas vezes analfabetas. “Talvez a relação com Carl Rogers e a Abordagem Centrada na Pessoa tenha começado aqui. Sempre me pergunto como o Rogers facilitaria um grupo com esse perfil e nessas condições”, disse Moreno, ao mostrar a foto de um dos primeiros treinamentos que fez na carreira, em um barraco de sapê, localizado no meio de uma propriedade agrícola.

Das suas histórias colecionadas durante 15 anos de treinamentos, surgiu seu livro “Facilitação, um jeito de ser – Educação Corporativa pela Abordagem Centrada na Pessoa”, o primeiro a tratar da ACP no mundo empresarial. Lançado durante o 3º Fórum Curadoria das Relações Humanas – Educação e o Futuro do Trabalho, o livro conta a história da Syntese, mostra como a consultoria e a ACP se encontraram e o caminho que levou a abordagem para dentro das empresas. “O livro deixa claro que a Abordagem Centrada na Pessoa se trata de um jeito, e não de um método”, afirmou o autor.

 

Pensando no futuro

Moreno falou sobre o Fluxo da Facilitação, criado pela própria consultoria. O Fluxo da Facilitação representa toda a movimentação do grupo e do facilitador, bem como a causa e o efeito do treinamento no ambiente empresarial.

Segundo ele, quando se amplia o olhar, percebe-se que as empresas precisam lidar o tempo inteiro com o efeito. “Efeito de uma escola ruim, uma educação ruim. E a gente repete [nos treinamentos] na empresa o mesmo sistema do qual não gostávamos quando éramos alunos. Por que continuamos repetindo a mesma coisa e achamos que vai dar certo?”, perguntou o fundador da Syntese à plateia, que saiu do Fórum bastante reflexiva.

Moreno reforçou que, na Syntese, tem-se discutido a educação em sentido mais amplo, com o objetivo de fazer um movimento para ajudar a repensar o ensino: do berçário ao ensino fundamental, médio, graduação, pós-graduação e depois educação corporativa.

“O futuro que a gente almeja passa pela educação em todos os sentidos. Nesse momento, isso é o que nos move”, afirmou.

 

Conheça os palestrantes do 3º Fórum Curadoria das Relações Humanas – Educação e o Futuro do Trabalho

  • Mariane Fagarazzi, gerente de Treinamento da Universidade Corporativa Bradesco (Unibrad).
  • Sandra Chemin, empreendedora, fundadora do ​futureyou​, programa que traz uma nova perspectiva sobre trabalho.
  • Wellington Nogueira, ator, palhaço, empreendedor social e fundador da ONG Doutores da Alegria.

 

No Comments

Post A Comment